Cápsulas de vitaminas: como surgiu e para quem elas são indicadas

Cápsulas de vitaminas: como surgiu e para quem elas são indicadas

Estudos publicados em 2013 na revista da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo verificaram uma ingestão baixa de nutrientes por idosos e adolescentes. Segundo a publicação, frutas e hortaliças têm a preferência de só 16% dos brasileiros. Arroz (84%), café (79%), feijão (72,8%), pão (63%) e carne bovina (48,7%) são os alimentos mais consumidos. Para minimizar este problema, as cápsulas de vitaminas são uma ótima opção, mas devem ser aliadas a uma alimentação balanceada e o acompanhamento de um médico ou nutricionista.

De onde surgiu a ideia de suplementar vitaminas?

cápsulas de vitaminas

Que as vitaminas são fundamentais para o nosso organismo todo mundo sabe. Porém, elas precisam ser aliadas a uma alimentação diversificada – com exceção da vitamina D, também sintetizada na pele sob a luz solar. A ideia de suplementar vitaminas surgir desde que marinheiros britânicos apresentaram escorbuto, no século 18, por falta de frutas e verduras (fontes de vitamina C), ficou evidente que a carência causa doenças, o que foi um marco na medicina. “Há o consenso de que a deficiência é deletéria e deve ser corrigida”, diz o médico nutrólogo Celso Cuckier, do Hospital do Coração, em São Paulo.

Veja também:
Vitamina C manipulada: tudo que você precisa saber
Vitamina D manipulada: 3 dúvidas mais comuns
Vitamina para cansaço: 2 dicas exclusivas

Quando são indicadas as cápsulas de vitaminas? 

cápsulas de vitaminas

Segundo o Dr. Cuckier, as cápsulas de vitaminas são indicadas, principalmente, nos seguintes quadros:

  • Na recuperação de doenças graves, após cirurgia da obesidade (as mudanças no aparelho digestivo predispõem a carências nutricionais)
  • Para idosos com dificuldades de absorção
  • Vegetarianos veganos (quando ocorre baixa de vitamina B12)
  • Mulheres na pós-menopausa com risco de osteoporose (suplementos de cálcio e vitamina D previnem fraturas)
  • Mulheres na fase fértil, quando pretendem engravidar (ácido fólico evita defeitos na formação do cérebro e da espinha do feto)
  • Para bebês (principalmente a vitamina D)
  • Também são prescritas sempre que houver deficiência nutricional comprovada por testes laboratoriais.

Em todos os casos, é preciso controle médico regular. “Nem assim são recomendadas doses exageradas por períodos prolongados”, avisa Cuckier. Em excesso, a vitamina A pode lesar o fígado, enquanto a vitamina C favorece cálculos renais e irritações na bexiga. Por isso, contar com um acompanhamento médico é essencial. Além de garantir que suas cápsulas de vitaminas estão sendo produzidas por boas farmácias de manipulação.

? No Manipulaê, todas as farmácias são previamente selecionadas e assinam um termo de compromisso com o consumidor. Além de estarem à disposição para a avaliação do público na plataforma online. Por isso, clique aqui se você deseja fazer uma cotação com as melhores farmácias de manipulação.